• Avenida Doutor Mário Sperb, 874 - Morro do Espelho
  • (51) 3592-1584
  • sinodal@sinodal.com.br

De férias no Brasil e treinando no Sinodal, Frederico Scherer Ott, ex-aluno e atual jogador profissional de basquete do CAB Estepona (Espanha), bateu um papo com a gente sobre sua carreira.

Adoramos dividir com vocês uma boa história. E a história de hoje é do nosso ex-aluno e hoje jogador profissional de basquete, Frederico Scherer Ott, hoje com 19 anos. Todos sabem o quanto valorizamos o esporte aqui no Sinodal. Por meio da prática esportiva, o estudante é convidado a se desafiar, a lidar com vitórias e derrotas e a aprender a trabalhar em time. Além disso, o esporte promove o bem-estar físico e mental. E quando nossos alunos escolhem fazer do esporte a sua carreira, achamos isso incrível!
 
O Frederico, atualmente, mora na Espanha, na cidade de Estepona, onde atua jogando pelo time CAB Estepona. De férias aqui no Brasil até final de setembro para rever a família, tivemos a sorte de bater um papo super descontraído com ele, que não perde o ritmo nem nas férias, e está aproveitando para fazer seus treinos de basquete aqui na escola. Sorte a nossa...hehehe. 
 
Confere abaixo a entrevista:
 
Sinodal: Desde quanto jogas na Espanha? 

Frederico: Eu jogo na Espanha desde setembro de 2018
 
Sinodal: Em qual time? Cidade?

Frederico: Eu comecei jogando na cidade de Marbella, que fica no litoral sul da Espanha e no time do CB Costa Marbella, onde eu joguei nos meus 2 primeiros anos. Já neste último ano eu troquei de cidade e de time, fui morar na cidade de Estepona, 25 km de distância de Marbella, jogando pelo time CAB Estepona.
 
Sinodal: Qual motivo da visita ao Brasil? Família?

Frederico: Eu sempre venho para o Brasil durante as minhas férias de verão, já que agora é verão lá, para ficar com a minha família, matar a saudade dos amigos e me preparar para a temporada seguinte.
 
Sinodal: Conta um pouquinho da sua história basquete x Sinodal.

Frederico: Eu conheço o basquete do Sinodal através de um amigo que me apresentou para o Pitu. Só depois descobri que ele jogou com o meu pai quando eram mais novos. A primeira vez que eu fui ao Sinodal foi em 2016, durante um "Camp" que o Pitu organiza todos os anos, ele traz um treinador internacional para ensinar basquete. Naquele ano, o treinador era croata, que foi, junto com o Pitu, as pessoas que disseram para focar no basquete.
 
Depois disso comecei a jogar pelo basquete do Sinodal, mesmo estudando em outra escola.
No começo de 2017 eu fui viajar no Circuito Europeu de Basquete organizado pelo Pitu (Around the Ball 11)  para a Sérvia, Bósnia e Croácia, fazendo treinamentos com os mais diversos técnicos para melhorar o meu basquete. E nesse mesmo ano continuei estudando em outra escola, mas jogando em duas categorias pelo Sinodal, também foi o ano que eu fui convocado para a seleção gaúcha para disputar um campeonato no Paraná. 
 
No começo de 2018, viajei outra vez com o Circuito Europeu de Basquete, mas dessa vez para a Lituânia, Letônia e Espanha, na cidade que mais tarde eu iria morar. E também foi o ano que eu comecei a estudar no Sinodal. Na metade do ano, o Pitu trouxe o treinador espanhol que nos treinou lá, e no primeiro treino ele já me convidou para ir para a Espanha. Mais tarde, junto com a ajuda do Pitu, eu estava embarcando para a Espanha para morar sozinho com 16 anos.
 
Sinodal: Quando despertou o interesse pelo basquete? Por que?

Frederico: Desde pequeno eu sempre gostei de praticar esportes, mas sempre gostei do basquete pelo meu pai, que jogou quando era mais novo. Só que com o passar dos anos fui gostando também do futebol e joguei até os meus 14 anos, que foi quando eu dei outra chance para o basquete. E com o incentivo do Pitu e dos técnicos internacionais saí do Futebol e entrei de cabeça no Basquete.
 
Sinodal: Conta um pouquinho da tua rotina na Espanha e no time.

Frederico: Nesse último ano, eu morei com dois companheiros de time em um apartamento. Pela manhã eu estudava, às 15:00 eu fazia a minha comida e às 20:00 eu tinha treinamento até as 23:00.
 
Sinodal: Deixa uma mensagem para os alunos que querem investir no basquete.

Frederico: Aproveitem a escola que vocês estudam, pois o estudo é tão importante quanto o desempenho esportivo e o incentivo esportivo que a escola dá, não é encontrado facilmente. Aproveitem o basquete no Sinodal, pois vocês tem o Pitu, um técnico muito bom e de muita experiência. Ele, com o Around The Ball 11, proporciona vivências internacionais com diferentes técnicos de países fortes no basquete que agregam muito no desempenho esportivo e no crescimento pessoal.
 
Sinodal: De quem forma o sinodal foi importante na tua carreira?

Frederico: O Sinodal foi muito importante para eu chegar aonde estou, o incentivo ao esporte e a exigência de estudo foram os principais fatores, já que na Europa, o esporte e o estudo andam de mãos dadas. Também tenho que agradecer à coordenação do Sinodal, que recebeu muito bem a notícia de eu ir morar fora e me incentivou para ir.